quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Os momentos na maternidade



São tantas coisas pra dividir com vocês... Tanta coisa que eu queria ter dito pra vocês e que por algum motivo não vim contar. O negócio é que quero priorizar o que faço no meu tempo vago. Hoje, dia 27, faz exatamente um mês que saí de licença maternidade e, acreditem, quando penso que daqui a 6 meses terei que voltar a trabalhar... Choro, me desespero e penso duas, três, milhares de vezes se irei mesmo conseguir. Terei que conseguir!
Por isso procurei me dedicar aos estudos. Estudar pra um concurso com salário melhor, menos horas trabalhadas. O governo promete inúmeros daqui pra lá, então vamos que vamos. Fiz um horário de estudo que tenho que seguir e o negócio é estudar sempre que Clarissa me deixa. E ela tem sido bem boazinha comigo.

O post aqui é mega atrasado, mas quero deixar registrado como foram os momentos pós parto no hospital e em casa... Simbora?

Eis que após a pediatra me mostrar Clarissa pela primeira vez e eu ter a imensa vontade de tirá-la dos braços dela e ficar lambendo e cuidando de minha cria, não me lembro de mais nada após ela ter ido dar o banho em Clarissa. Aliás, lembro-me sim. Lembro-me de ter olhado pro meu marido e ter dito: não saia de perto da Clarissa pra nada! E ele foi... E eu capotei. Quando acordei já estava numa maca no corredor da maternidade. Eu tremia de frio. Robinho estava de meu lado, me cobrindo com um cobertor grosso e dizendo: fique tranqüila, esse frio é normal. Eu na mesma hora perguntei por Clarissa... Eu ouvia um choro de bebê tão lindo que de repente cessava e de repente vinha com força. Perguntei se era ela, ele disse que sim, que ela estava se enrolando pra ir conosco por quarto. Chorei! A enfermeira veio e colocou ela em cima de mim. Eu não podia tocá-la, nem ninar e também não conseguia conversar com ela, mas foi automático: quando a enfermeira colocou-a em cima de meu corpo, imediatamente ela parou de chorar e não começou mais. Parecia conhecer que enfim ela estava no lugarzinho dela.

No quarto pediram a roupinha que ela iria vestir. Minha vontade era fazer aquilo. Levantar da cama, pegar a roupinha e vesti-la. Mas o PC só permite que a gente se levante após 12horas de anestesia. Afff Como tem gente que pode optar por um parto assim? Enquanto a enfermeira aplicava soro e remédios em mim, tia Ana ia vestindo sua roupinha de oncinha... E ela chorava agoniada. Acho que preferia que a mãezinha dela a trocasse. Depois disso o momento único: colocaram-na pela primeira vez para mamar em meu seio. Foi incrível: ela pegou de primeira e saia muito colostro. Chorei. No fundo eu não acreditava muito que teria leite, mas tive! Ela não chorava, parecia um anjo. Não pedia pra mamar, não pedia colo, não pedia pra trocar a fralda. Nada! Apenas dormia ali naquele bercinho, coladinho na minha cama, como eu pedi. Não consegui fechar os olhos por um minuto durante toda a madrugada... Minha tia e marido entre um cochilo e outro pediam pra eu dormir, descansar, que o dia seguinte seria puxado, teríamos visitas... Mas eu não consegui nem fechar os olhos. Eu parecia não acreditar que minha filha tinha nascido. E tão linda, e tão saudável, e tão quietinha. Como sonhei!

Vez ou outra as enfermeiras vinham pedir pra eu colocá-la no peito. Pra estimular a produção, porque fome ela não tinha mesmo. Minha vontade era de ficar com ela em meus braços, ninando, esquentando seu corpinho... Mas ela dormia tão bem no bercinho e eu estava em uma posição tão ruim na cama. Totalmente deitada, não podia sentar... Tudo por conta da anestesia.

Como minha grande Pequena nasceu com 3,834kg os médicos solicitaram medir a glicose dela a cada 6horas. Ai que judiação... Quando furaram pela primeira vez o pezinho dela, eu chorei junto. Depois ela se mostrou forte igual a mim, e se acostumou com a picadinha. Não chorava mais! Lindaaaaa.

Quando amanheceu eu estava louca pra tomar um banho, me levantar... Mas só fui liberada após o almoço. Levantei com ajuda de marido, mãe, cunhada... RS E tomei meu banho sozinha. Todos se impressionaram comigo. Disseram que eu estava ótima. Não tive gases, nem dores fora do comum. Claro que estava dolorida, o pé da barriga doía, não consegui colocar a cinta e quando me olhei enfim no espelho tomei um baita susto: eu estava toda inchada. Meu rosto estava enorme! Olhei pra minha barriga e me deu vontade de chorar. Ainda tinha barriga ali e eu queria que todo o inchaço, barriga e gorduras ganhos na gestação sumissem como passe de mágica. Que ilusão. Até hoje ainda não sumiu!

Fiquei mais de 1 hora no banho, me maquiei, vesti a melhor camisola e contrariando a todos da família, que disseram que eu não podia fazer esforço algum, peguei minha Clarissa nos braços pela primeira vez. De verdade! Lágrimas... É mágico! É mágico!

Muitas visitas, muitos elogios a nós, muito amor por todo o quarto. Todas as enfermeiras queriam ver a oncinha tão falada da maternidade. Sério, fizeram fila pra ver Clarissa. Além de grande, gordinha e linda, ela estava com uma roupinha diferente... E o povo queria ver aquilo. No fundo as músicas de ninar que marcaram nossa gestação e fotos dos 9 meses. Todos amaram!

Já eram quase 17horas quando recebemos alta da pediatra... Clarissa foi furar a orelhinha. Creiam: não chorou! Por sorte, filmei. O pai dela a colocou no bebê conforto, foi descendo com as milhares de malas e presentes. O carro estava cheio... Clarissa dormia... Passava pelos corredores e todas as enfermeiras e médicos queriam se despedir. A oncinha ficou famosa.

Minha mãe decidiu ir conosco pra minha casa. Lá fora era frio, já estava escuro... Meu marido trouxe o carro pra gente não se molhar. Eu notava o orgulho dele na face. Estava estampado!

Ele pegou o bebê conforto junto com Clarissa e colocou no carro. Pegou em minha mão e me ajudou a entrar... Tão atencioso, amoroso, dedicado! Enfrentamos um trânsito chato na volta pra casa... Mas nada nos estressava. Nosso calmante dormia como anjo. Entrei em casa com ela nos braços. Apresentei-a a cada cômodo, até levá-la ao seu quartinho. Troquei sua fraldinha pela primeira vez, cheirei muito seu rostinho, dei de mamar e coloquei em seu carrinho, ao meu lado da cama. Dormimos uma noite inteira, nem parecia haver criança ali. E por vezes, no meio da noite, eu e meu marido ainda alisávamos minha barriga, esquecendo que Clarissa não habitava mais nela. Esquecendo que Clarissa já estava entre nós!

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Melhores e Piores compras




Quero agradecer de coração a todos os comentários nos últimos posts... Vocês tem me ajudado muito na amamentação e outros quesitos com Clarissa. Continuo insistindo no peito e até que o leite começou a descer com mais força. Deus seja louvado. Creio que a quantidade de leite aumentará bastante e não precisarei complementar mais com Nam.
No próximo post falo mais sobre isso, mas hoje quero falar um pouco de tudo que comprei e que serviu ou não pra minha Pequena.

Primeiro quero falar sobre a mala maternidade. Muitas pessoas falaram pra eu não levar sabonete e perfume da bebê, toalha, brinco etc. Insisti e por sorte, levei! Lá na maternidade usaram as 2 toalhas de banho que levei pra Clarissa, usaram o sabonete líquido e o perfume dela, e ela saiu com a orelhinha furada e com seu brinquinho. Acho que isso depende muito de região. Aqui usaram tudo e nada sumiu. O banho era dado no quarto mesmo, na minha frente... Pude ver que não exagerei não na mala maternidade da Pequena. Posso ter exagerado na quantidade de trocas pra Pequena. Levei cinco e apenas 3 foram usadas. Mas acho que ter duas trocas de reserva pra caso o bebê sujar com cocô ou leite, vale a pena né? Levar apenas uma manta pra maternidade é pouco! É um entra e sai de visitas e chega uma hora que você sente necessidade de troca aquele cobertor.

Vou falar um pouco do que estamos usando e o que vale ou não a pena!
Fraldas
Em 15 dias com a Pequena, usamos 3 pacotes de Fraldas Pampers Recém Nascido – aquela do pacote verde que tem o lugarzinho do umbigo reservado. Cada pacote vem com 40 fraldas e é indicada para bebês de até 4,5kg. Muita fralda né? No começo é assim... Quando a gente vai trocar o bebê, ele faz cocô de novo. RS O melhor é que no início o cocô não fede, afinal o que está saindo é o mecônio.
Sobre essa fralda asseguro não é pequena. Minha bebê nasceu super gordinha (3,834kg) e usou tranquilamente os 3 pacotes. Super recomendo. Minha bebê apesar de ser cheia de dobrinhas não ficou assada, nem vermelhinha com o uso delas. Além do mais o seu material impossibilita o contato do xixi com a pele e ela vem com uma tirinha que muda de cor quando a fralda está suja... Ótimo né???
Senti uma diferença enorme quando abri o primeiro pacote de fraldas Turma da Mônica tripla proteção. Nossa!!! Material plastificado me causou medo e a fralda é tão cavada que dá a impressão de que o xixi vai vazar a qualquer momento. Até aqui tudo bem, ainda não vazou xixi nem cocô. Abri também um pacote da Johnson e a impressão foi ainda pior. Estou usando a Turma da Mônica. Como ganhei, estou usando. Mas se fosse pra comprar, não compraria!
Lenços Umedecidos
Vi na blogsfera uma mãe super indicando os lenços umedecidos da Turma da Mônica. Aquele do pacote verde. Ela tinha um estoque enorme desses lenços e fez a maior propaganda deles. Comprei! E é como dizem, gosto cada um tem o seu! Não aprovei esse lencinho. O cheirinho dele é agradável, mas me dava a impressão de que não limpava nada. Além do mais, toda vez que a gente vai tirá-lo da embalagem ele se rasga ao meio. Afff
Tenho usado muito pouco lenços umedecidos. Uso mais quando estou fora de casa. Em casa tenho usado mais o algodão com água e depois deixo o bumbum da Pequena cheiroso com HIGIAPELE da Jonhson. Hum que delícia. Super recomendo!
Ah e troquei o lencinho da Turma da Mônica pelo da Johnson – Milk. Ótima escolha. Esse tem um cheirinho melhor e limpa bem mais o bumbum da pequena. Além de não ser desperdiçado quando vou tirá-lo da embalagem.
Pomadas
Estou usando a babymed – meninas e super recomendo. Dizem que a composição dela é igual a do Hipoglós. Só que ainda prefiro essa, pois o cheirinho é delicioso e sai com facilidade no banho.
Também estou usando a Dermacid prevent quando vejo a pele da gorduchinha mais vermelhinha.
Hidratante Corporal
Está pensando o que? A Pequenininha aqui é vaidosa gente! Kkkk Esse só comprei por recomendação médica. Bebês que nascem após as 38 semanas ficam a pele descamando, segundo os médicos, isso é normal. Tipo despelando sabe? Então a pediatra passou pra ela um hidratante que serve para tirar essa descamação, hidrata a pele da bebê e ainda serve para evitar assaduras das dobrinhas. Apesar de carinho, super indico o hidratante Cetrilan. O cheirinho dele é maravilhoso já que possui na composição Óleo de amêndoas doce e óleo de calêndula. Além do mais você realmente sente a pele do bebê mais macia e hidratada.
Sabonete
Estou usando o Granado amarelo Líquido. Que delícia!!! Sinceramente não sinto vontade de trocar esse sabonete por nada. Foi paixão no primeiro banho. Tava usando também no cabelo da Pequena, que ficou ótimo e super cheiroso. Mas agora estou usando no cabelo dela a linha Mamãe bebê da natura que ela ganhou, shampoo + condicionador. Se eu não usar a validade vai vencer antes. Mas quando acabar, volto a usar somente o sabonete líquido Granado. Super recomendo!

Sobre os itens do enxoval da Flor posso eleger como melhores e piores compras as seguintes:
Melhores compras:
1 Trocador – Sinceramente não sei o que seria das minhas costas sem esse lugar pra trocar a Clarissa. Ter um lugar na altura certa e com tudo que precisamos ao nosso alcance é maravilhoso.
2 Carrinho + bebê conforto – Comprei berço mas até agora a Pequena só dormiu conosco no quarto. Então o bercinho dela tem sido o carrinho. E não sei o que seria de nós sem ele. Acho que eu não agüentaria ir pegá-la no quartinho dela toda vez que ela chorasse no meio da noite. Além do mais, tê-la ali do nosso lado, ao nosso alcance no começo é fundamental. O carrinho foi uma mão na roda, assim como o bebê conforto, que além de fazer com que minha Pequena ande de carro segura e dentro dos conformes, faz ela dormir o caminho inteiro, deitadinha do seu cantinho.
3 Colher para remédio – Comprei uma colher que pega 10ml de líquido. Ela era pra remédio, mas está servindo como mamadeira pra Clarissa quando preciso complementar o leite. A bebê não vicia, pois não suga em bico diferente e fica alimentada. Foi muita sorte ter essa colher em casa.
4 Kit higiene – Muito bom uma garrafa térmica com potinhos de algodão, cotonete e tudo mais ao seu dispor.
5 Sutiãs de amamentar – Comprei apenas 2, sugiro mais! Durmo e acordo com eles. Maravilha!
Piores compras
1 Cinta – Comprei a cinta errada! Comprei uma calcinha cinta que não se abre toda. Resultado: só uma perna minha entrou na calcinha. RS Sugiro que vocês comprem aquelas que fecham na barriga e que se abre toda. Agora estou usando essa e também aquelas de corpo inteiro. Maravilhosa!
2 Saco de bebê – Na verdade não comprei, ganhei 2. E sério, aquilo serve mais pra enfeite e pra usar na maternidade. Pelo menos aqui no Nordeste, que faz um calor arretado e que os bebês querem mais é ficar com corpinho de fora.

Espero tê-las ajudado. Quando for lembrando, vou anotando aqui pra vocês!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Complementando o leitinho da Flor

Clarissa com fome
E de barriguinha cheia

Oie meninas... Tenho ficado meio ausente do blog. Perdoem-me! Clarissa está ótima, não tem mais cólica, já fez coco, já caiu umbigo, já não dorme mais o dia inteiro... Tanta coisa acontecendo e eu decidida e voltar a estudar, para quem sabe, não precisar mais voltar ao meu emprego quando a licença acabar.

Senti muita vontade de vir aqui contar pra vocês como foram as horas pós parto no hospital e como estão sendo essas duas semanas com Clarissa... Mas lamber a cria é tão melhor!

Ainda no hospital, lembro-me que após ter visto minha bebê pela primeira vez, tiraram-na do meu lado e falei pro meu marido: "segue ela. não larga do pé da Clarissa". Assim ele fez!
Depois disso lembro-me de estarmos no quarto e a enfermeira veio vestir sua primeira roupinha. Eu queria ter feito aquilo. Minha vontade era estar em pé, vestindo minha Flor, dando carinho... Mas o PC impossibilita a gente dessas coisas. Depois de ela vestida, a enfermeira a trouxe pro meu peitinho. Ela pegou de primeira! Foi uma enorme emoção! Emoção ainda maior perceber que saía colostro sim, e que ela mamava como se já tivesse feito isso antes.
Quando amanheceu eu estava louca pra me levantar, tomar meu banho, ficar bonita pras visitas. Mas só pude me levantar às 13horas... Levantei-me sem esforços, demorei 1hora no banho e pude tomá-lo sozinha.
O resto foi super tranquilo no hospital. Recebemos algumas visitas e foi ótimo. A Clarissa encantava a todos.

Os primeiros dias em casa foram tranquilos. Ela apenas mamava e dormia. Super serena e tranquila. Meu marido me ajudou em tudo... Me ajuda ainda! Acho que a licença paternidade de apenas 5 dias é muito pequena. Deveria ser de pelo menos 1 mês. Afinal precisamos de nossos maridos pra vacinas, retorno a médicos, entre outras coisas. Além de tudo, o sono deles fica afetado com as mamadas noturnas dos bebês.
Eu mesma dou banho na Clarissa, troco, e tudo mais, desde o primeiro dia em casa. Todos ficam impressionados com minha recuperação. Na verdade faço porque não tenho quem faça, e graças a Deus minha cirurgia não foi comprometida por conta disso. O chato do PC é que mal conseguimos nos levantar sozinha nos primeiros dias, tossir é impossível, e os incômodos no movimento do carro são ruins demais.
Depois de três dias de Clarissa sofrer com cólica, eliminei o leite de minha dieta e com isso as dores da Pequena foram embora.
No dia seguinte o que aconteceu foi que a Pequena mamava tudo que existia em meus dois seios e queria mais. Ela ficava num estado! Com raiva, se esperneando e procurando peito... Depois de um dia inteiro desse jeito, resolvi por conta própria comprar o leite Nam e complementar meu leite. Nesse dia dei duas mamadeiras a noite pra ela e no dia seguinte meus seios amanheceram recuperados, vazando com0o nunca!
Aí veio o problema: com apenas duas mamadeiras, a Clarissa não queria mais pegar meu seio. Pegava apenas no bico e como não saía nada, chorava e chorava. Sofri a manhã inteira com o choro dela, mas fui forte. No seio tinha leite e ela não podia ter desaprendido tão rápido a puxar o leite dele. Venci pela fome da Pequena. Mamou nos dois seios e dormiu como um anjo.

Primeira lição: não podemos dar mamadeira pros bebês, senão realmente eles não pegam mais o seio.

Depois de 2 dias só no seio, ela voltou a chorar e sentir essa fome incontrolável. Então amamentei-a o dia todo no seio e a noite dei nam, dessa vez naquela colherzinha de remédio. Dá trabalho encher de 10 em 10ml a colherzinha, mas pelo menos tive a garantia de que ela pega no peito normalmente no dia seguinte.

Foi triste aceitar que o meu seio não estava dando de conta da fome de minha bebê. Chorei tanto! Mas, muito pior é deixá-la com fome né???
Sempre que tenho leite no peito, dou peito, mas quando ela passa mais de hora mamando e mesmo assim quer mais, o jeito é complementar com o Nam. Graças a Deus só precisei dar complemento a ela 3 vezes.
Estou fazendo de tudo para aumentar a quantidade de leite em meu seio. Tomando muito líquido, tintura de algodoeiro, me alimentando bem... Vamos ver né???

Durante todo esse tempo que atualizei o blog, ela está dormindo. Sinal de que o peito deu conta do recado!

Voltarei com posts melhores. Tipo melhores e piores compras...

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Primeira consulta + Retorno ao Go e o que levar na bolsa da Pequena?

Ontem saimos com a Flor pela primeira vez... E lá me veio a dúvida: o que devo levar na bolsinha dela??? Coloquei:
4 fraldas + lenço umedecido + algodão+ cotonetes+ alcool 70 + 1 mudinha de roupa + 1 manta + 1 cobertor + 1 trocador + chupeta + espasmo luftal. Deu certo. Não precisamos de nada além disso.

Fui primeiro ao meu Go. Ver os pontos e como estou. Ele ficou bom tempo babando minha Flor antes de iniciarmos a consulta. Seu pai fica todo bobo, quando alguém baba ela. E diz:" nossa filha é linda ne? E todo mundo acha isso, se não não babavam tanto! " Acho engraçado o jeito que ele fala isso... Papai babão.
Lá no Go, tudo ótimo. eu temia a retirada dos pontos, mas descobri que hoje em dia os pontos são absorvidos pelo organismo. Não é necessário puxar a linha. Ufa!
Tudo sequinho. Tudo ótimo. Na pesagem fiquei hiper feliz. Já perdi 10 kg em apenas 8 dias. Quase fiquei sem acreditar. Ele disse que foi ótimo e que vou perder muito mais ainda, pois permaneço muito inchada...
Recomendações: dirigir só após 20 dias, porque eu implorei. Por ele era só após 30.
Relações sexuais só após 30 dias. Quase que implorava pra ele liberar isso pra ontem. Mas tive vergonha! rs
Continuar tomando o Materna por 30 dias. E exercício físico só após 45 dias. Vixe, tudo isso???

De lá fomos à primeira consulta da Clarissa. Marquei com a primeira médica que achei vaga, pois tava preocupada com as cólicas dela... De cara já não fui com a cara da médica. E quando eu rejeito de cara, já viram né???
A médica séria, olhou pra mim e ficou parada. Como se esperasse que eu dissesse algo. Falei que essa era a primeira consulta de minha primeira filha. Nisso, ela ainda nem tinha olhado e babado na minha princesa. affff
E ela me perguntou: certo. vc tem alguma pergunta a fazer???
Como assim? Sou mãe de primeira viagem, é a primeira consulta de minha filha, e a médica me pergunta se tenho alguma coisa a falar???
Eu disse que não. Que o único problema é que a noite, minha bebê está sentindo muita cólica e estou sofrendo com isso. E ela perguntou: por que vc diz que é cólica??? Eu disse que sabia que era cólica porque a Pequena estava cheinha de leite na barriga e chorava forte, se contorcendo toda. E ela continuou. Isso não é cólica. Bebês dessa idade não sentem cólica. Respirei fundo e deixei ela examiná-la. Afinal eu já estava ali né?
Ela examinou-a toda, disse que estava tudo bem. Só pediu pra limpar melhor o umbiguinho, pingar o álcool no umbigo. Eu tinha visto em todo lugar que não precisava pingar, mas ela disse isso...
Na pesagem ela tá com 3,600kg. Perdeu 2234g, segundo ela normal.
E pronto. Fim da consulta! Acreditam?
Quando perguntei se ela não iria passar nada pras cólicas dela, ela disse que ela não sente cólica. Que toda vez que ela chorar eu bote no peito. Que ela tem que viver no peito 24h e eu morrer, só pode né???
Meu marido já não aguentava mais aquela louca, foi se apressando arrumando Clarissa, e eu ironicamente olhei pra cara dela e disse: tá. Então pra você toda vez que minha bebê chorar é fome? Ela não sente dor, nem frio, nem calor. Todo choro é fome? E ela notando minha indignação falou que cólica ela não sente. Pode chorar por frio, outras coisas, cólica não! Que eu dê o peito. E continuei: se é fome, por que ela rejeita meu peito quando está chorando dessa forma? se contorce e só se acalma quando dou a funchicória ou o espasmo luftal?
E ela, sem mais, disse: funchicória é só um açúcar tinturado que não serve pra nada. E pra cólica eu não recomendo nada.
Saí de lá sem nem dar xau. A Pequena, que também não foi a cara dela, começou a chorar. O paizinho dela lhe deu sua chupeta. Ela nos seguiu e disse que bebê que mama não pega chupeta. Meu marido mesmo assim deu. E ela chupou com vontade.

Realmente, nossa baby é diferente em tudo! affffff

Loucaaaa

Ela está ótima. Ontem não teve cólica. dei um banhinho nela quando chegamos do médico, às 17h30min, dei de mamar, e ela dormiu como um anjooooo. Ufa!

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Relato do Parto – 04/10/2011 Um dia pra ficar na memória




Passei todo o dia 03/10 tranquila em casa. Minhas pernas nunca haviam ficado tão inchadas. Mesmo passando o dia inteiro deitada, de pernas pro ar, elas teimavam em permanecer inchadas e enormes como nunca. Estranhei meu corpo. E cheguei a acreditar que Clarissa nasceria naquele dia mesmo, como eu e seu pai desejávamos.

A noite meu marido chegou super carinhoso. Eu estava toda linda. Quis me arrumar pra ele. Conversamos bastante com Clarissa e alisamos muito a barriga. O telefone tocou e era pra ele. Já eram 20h30 quando fui ao banheiro e ouvi um ploc. Fiz xixi normalmente, mas depois disso um líquido continuou escorrendo de minhas pernas. Associei o PLOC ao nascimento de minha bebê e gritei: “amor, amor! De hoje pra amanhã Clarissa nasce.” E ele me olhou assustado. Antes que ele perguntasse algo, expliquei: “Minha bolsa estourou.” Pedi pra ele pegar absorvente pra mim, pois o líquido descia devagar, gradativamente. Enquanto fui tomar um banho, muito feliz e relaxada, ele ligava pra meu GO e colocava as malas no carro. Meu Go disse que de lá da maternidade ligariam pra ele, caso o parto fosse naquele dia mesmo. Ainda pensei e falei em ligar o PC pra divulgar tudo no blog, mas o marido meio que nervoso, não deixou. Eu parecia ter sido dopada com alguma coisinha que deixasse a pessoa extremamente feliz. Todos ligavam ansiosos, querendo saber como eu estava e se impressionavam com minha tranqüilidade e serenidade. Fomos à maternidade felizes, tranqüilos e conversando. Tentando adivinhar com quem a Pequena iria se parecer. O meu maior desejo era que seu queixinho fosse igual ao meu. Somente! As contrações iam e viam lentamente. Ainda havia tempo suficiente. Eu tinha certeza de que iria dar à luz por parto normal. Chegando na maternidade fui examinada pelo médico de plantão que confirmou o estouro da bolsa e acrescentou que eu estava com 1 dedo de dilatação.

Fui internada às 22horas e em poucos minutos chegaram 2 enfermeiras pra me levar pra sala de cirurgia. Perguntei pelo meu médico, elas disseram que já haviam ligado pra ele. Eu disse que não seria PC, que iria tentar o PN e elas me olharam com estranheza, mas saíram. Pedi novamente pra ligarem pra meu GO. Nessa altura eu já não conseguia ficar deitada. As contrações vinham mais fortes e em pouco espaço de tempo. Meu marido me abraçava, alisava minha barriga, como se quisesse que minha dor fosse dividida com ele. Fomos caminhar. Minha tia Ana chegou e se encarregou de arrumar as lembrancinhas. Expliquei pra ela as roupinhas que ela usaria e onde tudo estava. A presença dela foi fundamental pra nós!

As 23h30min meu celular toca. Era meu médico. Perguntou espantado o que tinha acontecido. Se fora alarme falso. E falei que não. Que estava aguardando-o. Ele ficou p da vida com o pessoal da Unimed que não havia ligado pra ele, e ao mesmo tempo me acalmou, dizendo que chegaria logo. De fato, demorou pouco. Foi logo me examinando, explicando que ia fazer uma reclamação por escrito dos funcionários que não ligaram pra ele... quando viu minha barriga exclamou logo: “essa menina está muito alta”. E quando fez o exame de toque, assegurou que tinha que ser cesárea. Tentei negociar, disse que agüentaria esperar, sentir mais dor. Mas ele negou, disse que eu já tinha perdido muito líquido e teria que ser cesárea. Meu marido concordou na hora! E me veio uma enorme vontade de chorar. Não foi de medo, na verdade nem sei o porquê. Antes que a primeira lágrima caísse, respirei fundo e pensei: vou conhecer minha Flor, não há porque chorar. Perguntei se podia tomar um banho. Ele disse que sim. Meu marido me ajudou. Ele foi maravilhoso a todo momento. Depois vesti aquela batinha sexy, meu maridão pegou a câmera e fomos à sala de cirurgia. Eu deitada numa maca e ele segurando em minha mão.

A anestesia foi tranqüila. Não doeu nada. Talvez porque eu estava relaxada e não tive medo. Em pouco tempo eu já não conseguia mais levantar minhas pernas. Sentia elas me tocando, queria perguntar o que estavam fazendo, mas sentia um sono que me impossibilitava de falar. Vi todos médicos na sala, mas faltava meu marido. Criei forças e consegui perguntar por ele. “Já está vindo”. Quando olhei pro lado, ele estava lá, meio nervoso, com olhar bambo. Falei: “não olhe”.

Depois disso, só me recordo dos médicos falando: “Chega pai, vai nascer”. Repetiram isso por 3vezes. Eu já estava ficando nervosa. Queria saber o porquê da demora, mas o sono não me permitia falar. Em poucos segundos ouço o choro mais forte, lindo, e longo de minha vida, seguido de um grito de uma mulher: “1h25min”. Despertei e chorei, chorei, chorei!

Colocaram-na ao meu lado. Roxinha, coberta, sujinha e ainda chorando. Olhei e vi aquela bebê linda, cabeluda e com queixinho igual ao meu. Queria arrancá-la dos braços daquela mulher, cantar músicas de ninar, enfim, fazê-la parar de chorar. Mas eu estava amarrada e só consegui beijá-la e dizer: “não chore, meu amor. Não chore! Mamãe tá aqui!”

domingo, 9 de outubro de 2011

Rapidinhas e mais dúvidas...







Sei que estou devendo relato do parto e diversas outras coisas... Mas calminha gente! Deixa eu babar mais um pouco minha cria. Quem ainda aguarda seus babys na barriguinha, posso garantir: é a melhor coisa do mundo.
Quando ela termina de mamar, me pego olhando pra ela, admirando sua perfeição e chorando. Meu marido até se preocupa, pergunta o que foi. E simplesmente respondo: alegria! alegria!
Já sofro de pensar que daqui a 7 meses terei que deixar minha Pequena aos cuidados de outra pessoa. Por mim, ela seria cuidada somente por mim e seu pai, eu não me vejo um minuto longe dela...

As cólicas continuam toda a tardinha... dei a funchicória e funcionou. Mas hoje já é terceiro dia que a minha Flor não defeca. É normal??? o que posso faezr pra mudar isso???

Xero nossos

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Help!!!



Preciso de vocês! Calma, calma! Tudo bem por aqui! Clarissa permanece quietinha, dormindo e mamando. Mas agora percebo que sua fome já aumentou bastante e ela fica agoniada as vezes sugando o peito. Como se estivesse saindo pouca coisa pra ela entendem? Fico meio perdida.



A noite, ela fica numa agonia e percebo que não é fome... Como se fosse alguma colicazinha. Coloco ela deitadinha em cima de mim e ela relaxa. Lembro-me que a Pris mãe do Noah e outras mamães falam muito bem da Funchicória, que melhora o sono do bebê e evita as cólicas. Até comprei mas por aqui ninguém sabe usar.



Alguém me ajuda??? Como posso usar a funchicória pra acalmar mais a Pequena???






Outra coisa: por que não saimos da maternidade com teste do pezinho, orelhinha, olhinho e vacinas feitos??? Gente, ficamos perdidas nisso né? Eu estou. A médica passou os testes e marquei todos pra quinta dia 13. É muito tempo depois? E a vacina? Devo dar logo ou devo primeiro ir à consulta com a pediatra dela pra receber instruções?



Fico com medo de dar a vacina e ela ter reações e eu não saber o que fazer... O que vocês fizeram?



Marquei a consulta dela com pediatra dia 13 também.






quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Chegou a Flor de nosso Jardim - Editado e com fotos













Vou ser rápida... Depois venho com relato de parto e outras coisinhas...
Podem imaginar um casal apaixonado e extremamente feliz??? Meu marido e eu! Clarissa já traz cores e cheiro pro nosso Jardim.
Às 20h do dia 03/10/2011 quando fui ao banheiro ouvi um ploc. Minha bolsa estourou. Fomos ao Hospital, senti 3h de dores de contrações, mas Clarissa não descia. Eu dilatava mas ela estava muito alta... Como havia perdido muito líquido, partimos pra cesárea.
Ela nasceu às 1h25 do dia 04/10 com 3,834kg e 50cm. Rosto gordinho, bochechas rosadas. Parece um morango... Apesar do peso, as roupinhas e fraldinhas RN deram na minha grande Pequena!
Já estamos em casa. E a serenidade dela contaminou tudo... Linda, linda, linda!
Queixo e boquinha iguais aos meus. Super cabeludinha. Só mama e muiiiito e dorme. Não chora pra nada. Quando ela dar um miadinho, deixo ela chorar pra ouvir um pouquinho.
Acreditem que minha ficha ainda não caiu. Às vezes ainda me pego alisando e conversando com minha barriga... E quando olho pro lado, ela está ali.
Meu marido e eu estamos amando tudo isso!

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

CLARISSA NASCEU...





CÍNTIA E CLARISSA PASSAM BEM, COMO PODEMOS VER PELAS FOTOS. À NOITE SAIRÃO DO HOSPITAL E ENTÃO TEREMOS UMA SUPERPOSTAGEM!!!





segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Sobre a escolha do parto...


Antes mesmo de casar e de conhecer meu marido eu já sonhava em ser mãe... Nunca tive medo de nada. Sempre que adoecia ou tinha de passar por qualquer procedimento médico não temia. Fazia o que tinha de ser feito e pronto. Já fiz cirurgia no nariz, no olho, nas costas... Já tomei anestesia geral e a recuperação não podia ser melhor. Reagia bem a tudo, não reclamava de dores, nunca! Então pensava: "quando tiver meu bebê quero parto cesárea. Marcar a data que quero, ir pro hospital com hora marcada, unhas feitas, cabelos arrumados, maquiagem impecável. Quero nada sentir dor". Pois é, assim eu pensava.
Até que casei e quando enfim começamos a planejar um filho, eu comecei a repensar sobre o estilo de parto que eu queria pra nós. Antes mesmo de engravidar, comecei a ler livros, me informar mais sobre o mundo gestacional e até a fazer o enxoval, como muitos de vocês já sabem. E quando enfim descobri que um bebê estava sendo gerado em meu ventre, eu decidi: "Quero parto normal. Quero sentir contrações, quero sentir as dores do parto e sentir meu bebê passar e sair de mim... Se tudo der certo, quero o parto normal".
Comecei então a busca pelo médico obstetra ideal. A que estava me acompanhando tinha fama de só fazer cesárea. E mesmo dizendo que fazia PN, eu não consegui confiar de fato nela. Sua agenda era sempre lotada e eu nunca tinha ido ao consultório dela pra ela ter desmarcado consulta por causa de algum parto de emergência. Eu sentia que no fim da minha gestação ela arrumaria uma desculpa esfarrapada para marcar a cesárea e pronto. Passei por mais 3 médicos até encontrar o Dr Telmo Henrique. Na primeira consulta ele me encantou. Eu que tinha vergonha de obstetra homem, decidi: é ele!
E ele de fato é totalmente a favor do PN. Garantiu que o PC só deve ocorrer quando o PN não é possível, e que o PC só é vantagem mesmo pra o médico, que não precisa mexer na agenda por conta de algum parto fora de hora... Bem, eu entendo os dois lados da moeda. Realmente não sentir a dor do parto deve ser muito bom. Respeito quem opta pelo PC para não sentir dor, para marcar a data que o filho nascerá,porque temem o PN, ou por ser mais cômodo mesmo. Mas eu me decidi pelo PN porque quero snetir tudo isso e mais um pouco, porque quero uma recuperação mais rápida e gostaria também que as pessoas respeitassem isso.
Ao longo dessas 38 semanas tenho feito de tudo para que o PN dê certo. E tudo tem caminhado pra isso. A minha Clarissa está na posição certa, se encaixando, mexendo, não está laçada, eu já perdi o tampão, não tive nenhuma infecção ou doença que impeça esse tipo de parto... Tudo certo.
Minha DPP é dia 13/10, quando enfim completaremos 40 semanas. Mas parece que as pessoas estão mais agoniadas do que eu, meu marido e Clarissa juntos. Todos perguntam a todo momento: marcou o parto pra quando? E quando respondo que será parto normal, ouço em troca que sou corajosa, que dói muito ou um Deus me livre.
Já ouvi até de uma pessoa totalmente desinformada que Parto normal é coisa da idade da pedra. Com essa, sinceramente, não consegui ter raiva, só riiii... Quanta ignorância!
Minha avó tem me ligado todo santo dia. E pergunta se a menina deu sinal de vida. Digo que sim, que ela mexe bastante, a todo tempo. Mas o que ela quer saber mesmo é se as contrações começaram. Se o trabalho de parto começou. Quando digo que não, ela insiste que eu devo marcar logo a cesárea, que a menina pode estar sofrendo em meu ventre e que meu médico é mais descansado do que eu... Todo dia eu estava ouvindo isso, pacientemente, respeitando o medo e preocupação dela, até não aguentar mais e dizer em alto e bom tom que esperarei até dia 13 pelo PN e depois de lá verei o que faço.

Poxa, por que agora as pessoas, até mesmo as idosas como minha avó que pariu 8 filhos em casa com parteira, insistem em marcar a hora, dia e momento que o bebê deve nascer??? Se Deus fez a mulher para gerir e parir os bebês, por que eu não posso esperar a hora em que ela quer nascer? Acho que pior que a dor do parto, pior que a dor do nascimento, é a dor da perda, é a dor da morte... Mas as pessoas nem pensam nisso. Nem pensam no que falam... Insistem, mesmo sem ser consultadas, em dar suas opiniões.
Definitivamente estou pronta pro que der e vier. Li bastante. Sei que não deve ser confortável dilatar 10cm para enfim conseguir tirar de meu ventre um bebê de 3kg ou mais... Mas a natureza me fez pra isso e não irei exitar.
Ontem, ainda impressionada com tudo que ouvi nos últimos dias, fui ver uns videos na net de parto normal. Chorei em todos! Não pensando na dor que como passe de mágica se apagava do rosto da mãe no momento em que ouvia o choro de seu bebê, mas pensando naquele momento mágico, sublime. Coomo Deus é maravilhoso e sábio! Depois fui ler uns relatos de partos domiciliares. Hoje em dia isso tá virando moda né??? Aí realmente me convenci: poxa se uma mulher consegue ter seu filho em casa, com ajuda apenas do marido e da parteira, o que pode dar errado comigo, num parto normal em que estarei com meu marido, médico e equipe e todos os instrumentos necessários para qualquer complicação que por ventura possa ocorrer?

Então, definitivamente, quero Parto Normal. Continuarei serena, enquanto o resto do mundo anseia pelo nascimento da Pequena, dormindo super bem a noite inteira e esperando a bebêmaislindadomundo dar sinal de vida. Clarissa só não nascerá dessa forma, se ela não quiser. Se a natureza não me deixar. Mas se o meu médico, que tanto confio, disser pra esperar mais um pouco, que a dor vai passar, que estou dilatando conforme o esperado, que o parto normal será possível... Aguentarei o que for, porque sei que toda aquela dor será recompensada pela maior alegria do mundo: ter nossa filha, nossa Pequena Flor, nossa Clarissa em meus braços.

Em tempos:
1 Amanhã tenho consulta com o Go e ultrason.
2 Alguma de vocês ouviam um barulho de água na barriga? Quando me mexo, ouço o som de uma bolsa d'água bem alto vindo da barriga. Será que é a placenta? alguém ouviu isso? É tão engraçado!

Olha que fofinha essa roupa da minha Pequena.

sábado, 1 de outubro de 2011

Boas novas




Saudades...
Agora, acredito que não precisarei ficar ausente tanto tempo. Problema da internet em casa resolvido. Pelo menos, é o que acreditamos.
Tenho descansado bastante essa semana. Dormindo maravilhosamente bem a noite... Se não fosse as idas ao banheiro, tirava a noite direto. Sem dores nas costas. Só os pés bastante inchados.
Noite passada senti muitas contrações. A noite inteira. Maridão vinha alisar a barriga, pra ver se aliviava, mas eu pedia pra ele parar. Era uma dor insuportável que ia e depois de muito tempo voltava. Mesmo assim, dormi bem! Maridão disse que eu não existo. Que mesmo com dor, nem abro os olhos pra lamentar. kkkk Pior que é!
Durante a manhã tudo normal, sem dor, sem contrações. Mas quando fui tomar meu banho ao meio dia, percebi algo estranho. A sensação de algo descendo sabe? Pensei até em sangue, mas quando fui olhar, passei o papel e veio uma gosma enorme, parecia catarro: era o tampão mucoso. Veio limpinho, inteirinho. Isso me deu uma alegria tão grande!
Liguei pro médico pra confirmar se estava tudo bem, e ele disse que sim. Que isso é previsto. E que ela pode vir hoje mesmo ou daqui uma semana. Então continuemos na doce espera.
Sinceramente não estou ansiosa. Entrego nas mãos do Senhor. Mas adoraria que ela nascesse amanhã. A tardinha ou quem sabe na madrugada. Estaria só eu, ela e seu pai. Juntinhos. Por muitas horas...
As dores agora a noite voltaram;) Bem leves, mas voltaram.
Qualquer coisa volto pra falar pra vocês!

Amanhã atualizo minhas visitas. Saudades de todos!
Beijos e ótimo fds!